Cuidados com a defesa pessoal

Por Mestre Kobi Lichtenstein* | Foto: Shutterstock | Adaptação web Caroline Svitras

 

Muito se fala, hoje, sobre a questão da falta de segurança, do aumento nos índices de agressão e do crescimento da violência. Esse cenário faz com que as pessoas estejam buscando formas de se defender, por meio das artes marciais, por exemplo. É aí que entram as contradições.

 

A defesa pessoal começa em sua própria atitude, na garantia de sua segurança. De que adianta você entrar em uma academia sem saber se seu organismo está preparado para isso? Ou mesmo sem conhecer a técnica – e pior – o profissional com quem você vai trabalhar?

 

O princípio da defesa pessoal é que o indivíduo possa voltar bem para sua casa no final do dia e esse deve ser o seu objetivo. Se eu vou praticar um exercício para ter saúde, é um princípio básico que eu me preocupe em verificar se meu corpo está apto para realizar essa atividade, mesmo que a legislação não obrigue a minha academia a me cobrar pelo atestado médico. É de meu interesse estar bem.

 

ATENÇÃO

Se eu vou buscar uma técnica para aprender a me defender da violência, é importante que eu me certifique sobre a qualificação do profissional que vai trabalhar comigo, afinal é sobre a minha segurança que estamos falando. Entretanto, nem sempre é o que acontece.

 

As promessas de um resultado rápido, a comodidade de uma academia mais próxima ou a falta de conhecimento, muitas vezes, fazem com que as pessoas acabem nas mãos de falsos instrutores. E é ainda pior quando a promessa é a de que você poderá se tornar um instrutor em poucos dias de treino.

 

Nos últimos anos, um movimento mundial e desenfreado pelo culto ao corpo fez nascer uma verdadeira indústria, no que diz respeito à prática de atividades físicas, movimento que nada tem a ver com a busca por uma vida saudável.

 

Aliado à questão da violência, esse crescimento de ofertas de academias também chegou às lutas e às artes marciais, o que resultou em um aumento indiscriminado de pessoas não qualificadas ensinando diversas modalidades de luta.

 

*Mestre Kobi Lichtenstein é fundador da Federação Sul-Americana de Krav Maga, responsável pelo Krav Maga oficial no Brasil, Peru e Argentina. É ainda autor de quatro publicações sobre o tema.

Adaptado do texto “Defesa pessoal começa na sua atitude”

Revista Visão Jurídica Ed. 89