Parlamentares geram custos milionários aos cofres públicos

De acordo com levantamento da ONG Transparência Brasil, mais de R$ 33 milhões são gastos por ano com cada um dos 81 senadores, o que corresponde a um gasto total de R$ 2,7 bilhões

Por Eduardo Negrão* | Foto: Shutterstock | Adaptação web Caroline Svitras

A imagem de um parlamentar no Brasil é quase sempre associada a termos pejorativos e adjetivos nada elogiosos. Isso se reforça no inconsciente coletivo da população, quando poucas ações de interesse comum são efetivamente colocadas em prática e transformadas em fatos concretos, que beneficiem a maioria nessas instâncias de poder.

O custo-benefício desse processo é perverso. O cidadão de bem não aguenta mais pagar essa conta e não ter a contrapartida na mesma proporção em que se arrecada. Por vezes, esses recursos acabam tomando outros rumos que não aqueles a que deveriam ser destinados.

 

Situação

Em levantamento recente da ONG Transparência Brasil sobre os orçamentos da União, dos Estados e municípios, revelou-se que o Senado consome R$ 2,7 bilhões anuais, o que corresponde a R$ 33,4 milhões para cada um dos 81 senadores.

Já a Câmara dos Deputados consome R$ 6,6 milhões para cada um dos 513 deputados federais. Entre as Assembleias Legislativas, o maior orçamento por legislador é o da Câmara Legislativa do Distrito Federal, que absorve R$ 9,8 milhões por cada um dos 24 deputados distritais.

 

Nas Câmaras Municipais, a mais rica é a do Rio de Janeiro, que prevê R$ 5,9 milhões para cada um dos 50 vereadores. Se analisarmos que a nação possui uma Câmara de Deputados Federais e um Senado, 27 Assembleias Legislativas e 5.564 Câmaras de Vereadores, o custo total dessa máquina pública ultrapassa mais de R$ 20 bilhões por ano! Isso equivale, por exemplo, ao orçamento anual do programa Bolsa Família (R$ 22,1 bilhões), que beneficia 13,9 milhões de famílias.

 

Gastos não param por aí

Subsídios mensais, 13º, 14º e 15º salários, verbas para assessores, verbas indenizatórias, auxílio-moradia, cota postal, cota telefônica, passagens aéreas, combustível, gráfica, jornais e revistas são outros benefícios de um parlamentar que são contabilizados à parte dos gastos do salário integral.

 

Revista Visão Jurídica Ed. 89

Adaptado do texto “Parlamentares geram custos milionários aos cofres públicos”

*Eduardo Negrão é consultor político e escritor.